Hero Quest

Sogoken 08/02/2019
YS2

Quando Adol conhece Ys

YS2

Sendo continuação direta do primeiro título da franquia, será que consegue fechar a duologia com chave de ouro?

  • Nome: Ys I & II Chronicles+
  • Plataforma: PC
  • Lançado: 14/02/2013
  • Finalizado: 24/07/2018
  • Duração: 11 Horas
intro

Lançado em Junho de 1988, Ys II é a continuação direta do primeiro título da série, tanto que essa duologia atualmente é vendida em um único pacote, já que para saber a história completa é necessário jogar ambos os títulos.

Hoje em dia a Steam é a maneira mais fácil de encontrar este jogo, mas a versão do TurboGrafx-CD segue sendo a melhor experiência até hoje.

Assim como é obrigatório jogar o primeiro jogo, recomendo que leiam a análise que eu fiz sobre ele bem aqui, pois muitas curiosidades eu já mencionei por lá, e não voltarei a repetir.

YS2

Voltar ↑

História

O jogo começa imediatamente depois dos eventos do primeiro jogo. Adol é teletransportado da Torre de Darm diretamente para uma ilha flutuante que se encontrava logo acima.

Cansado pela batalha anterior, Adol perde a consciência, mas por sorte é encontrado por Lilia. Ele é levado até um vilarejo próximo onde descobre que na verdade está em Ys, e a mãe da garota pede a Adol entregar uma carta ao único médico da cidade. Depois de sair em nossa jornada, descobrimos que o doutor que estava desaparecido, na verdade está preso dentro de uma caverna infestada de monstros, e é aí que começa a nossa aventura.

YS2

Voltar ↑


Parte Boa

Continuação

Esse jogo é uma continuação direta do primeiro Ys, e manteve tudo o que era bom e ainda expandiu ainda mais o universo.

Assim como no primeiro jogo, o sistema de batalha continua sendo o Bump System para alegria ou infelicidade de alguns. Vários personagens do jogo anterior dão as caras por aqui novamente, mas infelizmente o Dogi não participa da aventura.

Outro ponto positivo é que as músicas continuam sendo empolgantes e Yuzo Koshiro mandou muito bem novamente, já que esse título tem uma das melhores músicas de toda a franquia, que é a música de abertura “To Make The End of Battle” que por acaso é a minha música de Ys favorita, e que também é a favorita do atual presidente da Falcom, o Toshihiro Kondo.

Ys II também teve um OVA intitulado Castle in the Heavens, que contém 4 episódios lançados entre 1992 e 1993, que conta a história do jogo, adicionando conteúdo extra e alterando detalhes da história. E volto a reforçar que se trata de um OVA de baixo orçamento, então não espere muita coisa por aqui.

YS2

Voltar ↑

Melhorias e sistema de magias

O segundo título da série recebeu várias melhorias em comparação ao primeiro, como por exemplo o sistema de magias.

Adol agora pode soltar magias, e para isso faz o uso de uma barra de mana que antes não existia. Ao utilizar as magias vamos gastando essa barra de mana, e ela vai enchendo automaticamente com o passar do tempo.

Existem seis magias disponíveis no jogo, sendo que a magia de Fogo é a única que realmente causa dano aos inimigos e é uma das mais utilizadas em combate junto com a magia do Tempo e a magia de Escudo.

Também existe a magia de Roo, que permite Adol se transformar em um animal selvagem, que faz com que os inimigos não o ataquem. Quando estamos nesta forma, também podemos conversar com qualquer inimigo como um NPC, e alguns dão dicas muito valiosas. Em resumo é uma mecânica bem interessante que eu gostei bastante.

Como comentei, conforme vamos utilizando as magias, a nossa barra de mana vai gastando, mas agora também contamos com um sistema de itens, onde podemos consumir determinados itens para restaurar a nossa Mana ou até mesmo o nosso HP.

Esses itens são encontrados pelo mapa, e alguns estão disponíveis para compra nas lojas, e também existem os que são conseguidos só por meio de sidequest. Podemos levar conosco no máximo de 3 itens do mesmo tipo e isso ajuda a não quebrar o jogo, apesar de que existe um Elixir que vale 60.000, que é o item mais caro do jogo que se pode obter e utilizar uma única vez. Esse Elixir só tem o poder de nos reviver automaticamente caso percamos a vida.

YS2

Voltar ↑

Dificuldade e outros detalhes

Ys II é bem mais fácil comparado ao título anterior da série, e vou explicar os motivos para isso a seguir.

Neste jogo, Adol pode chegar até o level 55, sendo que no level 48 já temos o HP maximizado. Comparado ao primeiro jogo que possuía somente 10 níveis, os desenvolvedores deixaram um alguns níveis extras que o jogador só precisa alcançar caso queira uma experiência mais suave.

O último chefe comparado ao do primeiro jogo, também é um passeio no parque, principalmente se você tiver a combinação certa de itens e habilidades. Fora isso, os níveis de dificuldade apenas alteram o dano que damos e recebemos, então se você está com dificuldades de prosseguir, mudar para o easy com certeza vai solucionar todos os seus problemas sem nenhuma penalidade.

O jogo também tem personagens bem carismáticos e um final bem satisfatório que eu gostei bastante, além de também contar com um sistema de achievements (na Steam) para aqueles que buscam os 100%. E até tem achievement bem loucos como deitar na cama de todas as meninas.

YS2

Voltar ↑


Parte Ruim

Abuso de magias

Apesar de o sistema de magias ser uma boa inovação, os desenvolvedores abusaram deste sistema. Para dar uma ideia mais clara do que estou querendo dizer, digamos que o jogo possui 7 chefes, e entre eles devemos matar 5 com o uso de magias. Tudo bem que é uma mecânica nova, mas gostaria que o jogo não nos obrigasse a utilizar determinada mecânica, pois seria melhor se tivesse a possibilidade de vencer o mesmo chefe de diversas maneiras.

Também existem diversos puzzles que se solucionam com o uso de magia, o que na verdade é algo bom, mas tem alguns que ou o jogador tem que prestar muita atenção nos comentários dos NPCs para saber exatamente o que fazer, ou tem que utilizar um guia para poder avançar, pois não são nada amigáveis.

YS2

Voltar ↑

Um jogo antigo

O segundo Ys ainda mantém vários problemas do título anterior, como a utilização do backtracking por exemplo, nos forçando a passar pelos mesmos lugares de novo e de novo.

Existem áreas que te obrigam a fazer grind para avançar, mas a parte boa é que pelo menos os desenvolvedores adicionaram inimigos que te dão muita experiência, que são poderosos e necessitam uma certa habilidade do jogador para vencê-los, mas depois que pegamos o jeito subir de nível fica fácil.

Também existem itens que temos que utilizar uma única vez no jogo, o que eu acho um certo desperdício, além de chefes que necessitam algum tipo de equipamento específico para ser derrotado.

Quando recebemos a tela de Game Over, não existe a opção de voltar da onde morremos. Somos obrigados a voltar do nosso ultimo save, então é bem importante salvar o jogo o tempo todo, principalmente considerando que várias dungeons desse título são labirintos que revivem os monstros cada vez que entramos em alguma sala diferente.

YS2

Voltar ↑


Conclusão

RankB

Ys II trouxe várias melhorias comparado ao seu antecessor, uma dificuldade mais balanceada e um mundo maior com muitos personagens carismáticos, ainda é uma boa experiência apesar do uso obrigatório de magia, labirintos em formato de dungeons, e um backtracking absurdo que deixa este título menos amigável para novos jogadores.

Eu particularmente prefiro o clima do primeiro jogo, mas me diverti bastante com essa sequência também. E se considerarmos que este título foi desenvolvido em 1988, é possível perdoar quase todos os pontos negativos.

Em resumo, não existe sentido em jogar Ys II sem ter jogado o primeiro título, e se você gostou do primeiro título, com certeza vai gostar deste também.


Voltar ↑



FacebookTwitterGoogleTumblrReddit